1.08.2009


Ondas negras
trazem cadáveres roxos.

Babas brancas cospem hidras secas.

Há conchas doentes na areia,
esqueletos de gaivota,
putas desocupadas.

O mar tem cheiro de morte.

Atrás da ponte,
vestida de barbatanas escuras,
a lua pesca tudo.

da série: florianopolitanas.
imagem de edward hopper: queenborough bridge, 1913.

3 comentários:

Anônimo disse...

eu adoro KJnoBN. adoro Hooper. e adoro Klimt. poesia é que não é o meu forte: sou bastante ignorante.

favoritei os 2 blogs.

danpiantino disse...

morar em desterro é uma experiência poética, quer gostamos ou façamos poesia. Uma manhã pesada em nuvens é um poema denso, sombrio. Uma volta à praia é um poema de imagens soltas e leves.
"O mar tem cheiro de morte" porque o desterro é uma aproximação do inevitável fim, da lápide que só precisa de um céu cinza para ser túmulo.

Anônimo disse...

KJnoBN = Keith Jarret no Blue Note. o outro escritor invisível entendeu.